Da série
Rio de Música
03 Março 2015
0
0
0
s2sdefault
 

cartaz1Em 1902, o primeiro maxixe era gravado na Casa Edison – Sempre Contigo, de autoria ignorada. Mas o gênero já se desenvolvia na cidade desde a década de 1870. Sua melhor definição vem do crítico e pesquisador de MPB José Ramos Tinhorão: “forma malandra e exagerada de dançar a polca-tango, que acabaria por fazer surgir o maxixe como gênero musical autônomo”.

No livro Maxixe – A Dança Excomungada, Jota Efegê afirma que a primeira citação ao ritmo apareceu na propaganda de um baile de carnaval que iria acontecer no Clube dos Democráticos, publicada no Jornal do Brasil, em fevereiro de 1883. O nome, tomado emprestado da hortaliça, faz uma associação irônica a seu pouco valor. No entanto, o teatro de revista, que fazia uma crítica acirrada aos costumes durante o período da Belle Époque, em breve se apropriaria do gênero. Escrita por Arthur Azevedo, A República estreou em 26 de março de 1890 e foi responsável por popularizar o primeiro grande sucesso do maxixe, intitulado As Laranjas da Sabina.

O jornalista Pedro Paulo Malta, que também é pesquisador musical, confirma a prevalência do meio teatral como lugar de cultura. Ele ressalta a diferença que existe entre conseguir popularizar um estilo na atualidade e o processo trabalhoso no início do século XX. “Essas músicas ‘pegavam’ sobretudo no teatro. Hoje em dia, quem compõe tem, de saída, a facilidade de botar um vídeo no cartaz2YouTube, com visibilidade instantânea.”

Maxixe tipo exportação

Em 1912, o dançarino e compositor Antônio Lopes de Amorim, ou Monsieur Duque, radicado há três anos em Paris, apresentou o maxixe aos salões da Europa, de onde a sensação seguiu para os Estados Unidos. Até mesmo um dos mais importantes escritores norte-americanos do século XX, F. Scott Fitzgerald, chegou a fazer menção ao maxixe em alguns de seus contos. Enquanto isso, no Rio, nomes como Sinhô (José Barbosa da Silva, autor de Jura e Gosto Que Me Enrosco) e Chiquinha Gonzaga (autora de O Gaúcho, mais conhecido como O Corta-Jaca) compunham sucessos.

O Corta-Jaca, por sinal, deu início a uma verdadeira revolução em prol da música popular brasileira. Nair de Teffé era esposa do presidente da República, o marechal Hermes da Fonseca, e muito amiga de Chiquinha Gonzaga. Em 1914, a primeira-dama promoveu um recital, no qual executou a música ao violão, em pleno Palácio do Catete. As notícias sobre o evento escandalizaram a alta sociedade, principalmente depois das duras críticas públicas feitas por Rui Barbosa.

ChiquinhaMais suscetível ao preconceito, Ernesto Nazareth, compositor de Odeon, preferia incluir suas obras no grupo chamado de “tango brasileiro”, sobre o qual não há consenso – há quem diga que é um subgênero do choro e quem afirme ser o tango brasileiro também o maxixe. Da mesma maneira, o clássico Pelo Telefone, de Donga (Ernesto dos Santos) e Mauro de Almeida, embora registrado como samba, seria, segundo puristas, igualmente um maxixe.

Mídias Relacionadas
Rio de Música
Mais da Série
Relacionados
Mais Recentes