Da série
Patronos das Escolas Municipais
31 Agosto 2020
0
0
0
s2sdefault
 
Maria Montessori, 1936 (Foto: montessoricentenary.org/ Domínio Público)

Maria Montessori nasceu em 31 de agosto de 1870, na Itália, para revolucionar a Educação. Estudou Engenharia e graduou-se em Medicina – profissão considerada “de homens”, na época –, sendo uma das primeiras mulheres na Europa a se formar e a atuar na área. Da Psiquiatria chegou à Pedagogia, criando uma metodologia que prega a liberdade, a independência e a autonomia da criança – e viria a ser conhecida no mundo inteiro como método montessoriano ou Pedagogia Científica.

Montessori abriu caminho para outras mulheres que buscavam mais do que a sociedade esperava para elas. Teve um filho, mas não se casou, o que fez com que fosse obrigada a se afastar dele nos primeiros anos. Além de defender os direitos das mulheres, rebelou-se frente a governos totalitários, como os de Benito Mussolini e de Adolf Hitler, que restringiram a liberdade nas escolas e baniram seu modelo educacional.

Com a ascensão do regime fascista, deixou seu país, passou anos como prisioneira na Índia e viajou pelo mundo dando cursos e palestras, formando professores e abrindo escolas, até falecer, aos 81 anos, na Holanda.

Montessori: formação e carreira médica

Maria Montessori nasceu na pequena cidade de Chiaravalle, na Itália. Filha única de Alessandro Montessori e Renilde Stoppani, aos 12 anos mudou-se para Roma com a família, que buscava oportunidades de uma educação mais completa para a menina.

Na adolescência, com o apoio da mãe e contrariando o pai, cursou o ensino técnico em Engenharia, sendo uma de duas moças a frequentar a escola, exclusiva para meninos. Depois de concluir o curso, decidiu estudar Medicina, sendo, mais uma vez, incentivada apenas pela mãe. Na ocasião, foi necessária uma conversa com o reitor da universidade para que uma mulher pudesse fazer o curso.

Assim, Montessori foi uma das primeiras mulheres na Itália e na Europa a se formar  e a exercer a profissão de médica, sofrendo, durante toda a graduação, a segregação típica de uma sociedade machista. Não lhe era permitido, por exemplo, participar das aulas práticas de Anatomia com a turma, pois uma moça não deveria ver um corpo nu estando na mesma sala que estudantes do sexo masculino.

Maria Montessori formou-se em Medicina em 1896 (Foto: montessoricentenary.org/ Domínio Público)

Naquela época, sozinha durante uma das sessões de dissecação, quase desistiu de ser médica. Porém, como desejava ter uma profissão diferente do Magistério – destino das mulheres que não queriam apenas cuidar de suas casas –, seguiu com os estudos.

Formou-se em 1896, com trabalho de conclusão do curso na área de Psiquiatria. Desenvolveu um interesse por compreender as crianças e seu desenvolvimento, em especial as com deficiência intelectual, o que a levou a conhecer e a se interessar por pesquisas dos médicos franceses Jean Itard e, depois, Édouard Séguin, cuja proposta desenvolvia a autonomia dos alunos, numa época em que a sociedade associava deficiência à dependência. As obras de Itard e de Séguin serviram de base para Montessori desenvolver seu próprio método de ensino.

O trabalho na Escola Ortofrênica e na Casa das Crianças

Aos 28 anos, no Congresso Médico Nacional, na Itália, Montessori defendeu a tese de que a causa principal dos atrasos apresentados pelas crianças com distúrbios de comportamento e de aprendizagem era um ambiente ausente de estímulos para o desenvolvimento adequado. No congresso, quando perguntada por um médico da plateia sobre por que se preocupava com essas crianças e se não sabia que elas não poderiam aprender, respondeu: “Elas podem. São os senhores que não permitem”.

Ao lado do também médico Giuseppe Montessano – com quem veio a ter um filho, Mário M. Montessori –, ela atuou na Escola Ortofrênica (ortofrenia é o nome que se dava aos processos de tratamento das necessidades especiais apresentadas pelas crianças), cujo trabalho prioritário era instruir professores. Algumas crianças, retiradas de asilos pelos dois médicos, também ocupavam uma das salas do local, como alunas e objetos de pesquisa.

Lá, Montessori pôde observar o comportamento dos pequenos e o interesse deles por qualquer elemento que pudessem sentir. Assim, e influenciada pela obra de Séguin, passou a usar os materiais sensoriais propostos pelo pesquisador, fazendo pequenas alterações e, também, criando novos objetos.

Tamanhos, formas, cores, texturas, pesos, cheiros e sons eram explorados nos materiais criados pela educadora (Foto: Association Montessori Internationale/ Domínio Público)

Ao perceber o bom desenvolvimento das crianças da escola, a médica decidiu inscrevê-las nos testes nacionais de educação da Itália. O resultado foi surpreendentemente positivo: algumas das crianças conseguiram aprender mais na Escola Ortofrênica do que as crianças sem deficiências aprendiam nas escolas regulares da época.

Intrigada e estimulada por isso, Montessori passou a estudar Pedagogia e Antropologia com mais profundidade, decidindo dedicar-se integralmente à Educação. De 1904 a 1908, atuou como professora da Escola de Pedagogia da Universidade de Roma.

Em 1907, foi convidada a desenvolver um projeto educacional no bairro de San Lorenzo, na periferia de Roma – a Casa das Crianças (Casa dei Bambini, em italiano). Lá, seguiu seu trabalho, observou o comportamento das crianças em liberdade e reestruturou o ambiente de acordo com as necessidades de desenvolvimento demonstradas por elas. A mobília da Casa foi adequada ao tamanho das crianças e os materiais sensoriais desenvolvidos por Montessori, quando em quantidade suficiente para todos, foram colocados em prateleiras, à disposição dos pequenos.

Depois de algum tempo, sob pressão dos pais das crianças, decidiu ensiná-las a escrever, usando seu próprio método. Os resultados foram tão positivos que levaram Montessori a ocupar páginas de jornais e revistas de todo o mundo.

Dois anos após o início dessa experiência, a educadora escreveu Il Metodo della Pedagogia Scientifica applicato all'educazione infantile nelle Case dei Bambini (em português, o livro se chama Pedagogia Científica; em inglês, foi intitulado O Método Montessori), obra na qual expõe seu método completo, pela primeira vez.

Foto: Association Montessori Internationale/ Domínio Público

O que é o método Montessoriano

Montessori acreditava em uma “educação para a vida”, que ia além do acúmulo de informações, e via a criança como um ser humano integral, não um pretendente a adulto. Ela defendia o respeito às necessidades e aos interesses de cada estudante, de acordo com estágios de desenvolvimento correspondentes a diferentes faixas etárias.

Para ela, os pequenos conduziriam o próprio aprendizado e caberia ao professor acompanhar o processo e perceber o modo particular de cada um demonstrar seu potencial. “No lugar da palavra, [ele deve] aprender o silêncio; no lugar de ensinar, ele deve observar; no lugar de se revestir de uma dignidade orgulhosa que quer parecer infalível, se revestir de humildade”, dizia, sobre um “novo modelo de educador” proposto por ela.

O espaço da escola, na visão montessoriana, era pensado e preparado de maneira a facilitar a movimentação, a independência e a iniciativa pessoal das crianças. As atividades sensorial e motora também desempenhavam uma função fundamental, de forma que os alunos poderiam tocar e manipular tudo o que estivesse ao alcance deles.

Tamanhos, formas, cores, texturas, pesos, cheiros e sons eram explorados nos materiais criados pela educadora, pensados para auxiliar todo tipo de aprendizado e para provocar o raciocínio.

Reconhecimento mundial, oposição ao fascismo e passagem pela Índia

Montessori viajou pelo mundo dando cursos e palestras sobre seu método, compartilhando suas descobertas, instruindo professores, abrindo escolas, escrevendo livros e publicando artigos. Em 1929, durante o I Congresso Montessori Internacional, na Dinamarca, fundou a Associação Montessori Internacional, cujo objetivo era vistoriar as atividades de escolas e supervisionar a formação de professores.  Sigmund Freud, Jean Piaget e Rabindranath Tagore (poeta indiano e Prêmio Nobel de Literatura) estavam entre os patrocinadores iniciais desta Associação.

Montessori cercada de crianças em 1951 (Foto: montessoricentenary.org/ Domínio Público)

Na Itália, seu método prosperava e ela era muito elogiada por Benito Mussolini, líder do Partido Nacional Fascista, que dominou a Itália entre 1922 e 1943. Entretanto, ao mesmo tempo, o governante diminuía a liberdade característica das escolas montessorianas, o que fez com que a educadora deixasse seu país em 1934 e todas as escolas com seu método, na Itália, fossem fechadas. O mesmo aconteceu na Alemanha de Hitler, na União Soviética e na China.

Montessori viveu em Barcelona até estourar a Guerra Civil espanhola e, depois, foi para a Holanda, onde ficou até 1939, quando foi convidada a dar um curso na Índia. Com a eclosão da Segunda Guerra Mundial, ficou na Índia por sete anos, como prisioneira do exército britânico. Seu filho passou aproximadamente um ano em um campo de internação forçada e só foi solto, por intervenção de uma autoridade indiana, no aniversário de setenta anos da mãe, a pedido da própria Montessori.

Em 1946, quando pôde deixar a Índia, regressou à Europa. No ano seguinte, discursou para a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) e, em 1949, recebeu a primeira de três indicações ao Prêmio Nobel da Paz.

Maria Montessori morreu no dia 6 de maio de 1952, aos 81 anos, por uma hemorragia cerebral. No Rio de Janeiro, ela dá nome a uma escola da Rede Pública Municipal de Ensino que, desde 1973, é voltada para a Educação Especial, localizada em Campo Grande (9ª CRE).

Montessori na Educação brasileira

No Brasil, as informações históricas sobre a influência e a introdução do método de Maria Montessori são escassas. No livro Renovação educacional católica: Lubienska e sua influência no Brasil (1978), Gersolina Antonia Avelar menciona a experiência de D. Carolina Grossamann, em 1935, em São Paulo, com a fundação do Jardim Escola São Paulo, inspirado na metodologia de Montessori.

Avelar relata, também, que, em 1915, as ideias de Montessori foram divulgadas na Bahia pelo Dr. Miguel Calmon Dupin, na palestra As promessas e os resultados da pedagogia moderna, e que, em 1924, o médico conseguiu uma autorização da educadora italiana para publicar no Brasil a obra traduzida A Pedagogia científica: a descoberta da criança.

Ainda de acordo com Avelar, entre 1925 e 1930, a professora italiana Joana Scalco, radicada em Curitiba, trocou correspondência com Montessori e tentou implantar experimentalmente escolas montessorianas no Brasil. Além dessas iniciativas, o livro destaca a fundação da Associação Montessori no Brasil, em junho de 1950, no Rio de Janeiro, pela professora Piper de Lacerda Borges Almeida.

Em Introdução ao estudo da Escola Nova (1978), Lourenço Filho menciona a experiência da professora Armanda Álvaro Alberto, que se inspirou inicialmente em Maria Montessori para organizar a Escola Regional de Meriti, em Duque de Caxias, no Rio de Janeiro, na década de 1920.

Em diferentes estados do Brasil, nos anos 1970, surgiram muitas escolas montessorianas. Ainda hoje, diversas associações e movimentos reúnem escolas que adotam esse método e difundem as práticas da educadora italiana. Essas escolas estão situadas, principalmente, nas capitais dos estados brasileiros e em grandes cidades, sendo, em sua maioria, da rede privada.

 

Fontes:

RÖHRS, Hermann. Maria Montessori. Hermann Röhrs; tradução: Danilo Di Manno de Almeida, Maria Leila Alves. Recife: Fundação Joaquim Nabuco, Editora Massangana, 2010. Coleção Educadores – Ministério da Educação.
https://larmontessori.com/maria-montessori/
http://montessori.org.au/montessori/biography.htm
http://omb.org.br/educacao-montessori/maria-montessori
https://novaescola.org.br/conteudo/459/medica-valorizou-aluno

Mídias Relacionadas
Patronos das Escolas Municipais
Mais da Série
Relacionados
Mais Recentes